sábado, 18 de julho de 2015

Essas são as faces de Cunha



As faces de CunhaConheça os 213 comandados do presidente da Câmara dos Deputados






Deputados
Infográfico
Entenda


O Brasil de Fato cruzou as votações de três temas importantes que passaram pela Câmara dos Deputados em 2015– terceirizações, financiamento de campanha e maioridade penal. Descobrimos quem é a base mais fiel ao Cunha, ou seja, os deputados federais que seguiram a posição dele em todas essas votações. Entenda
Conheça os deputados


Por estado





__________________
















Alceu Moreira

Baleia Rossi

Cabuçu Borges

Carlos Henrique Gaguim

Carlos Marun

Celso Jacob

Celso Maldaner

Daniel Vilela

Danilo Forte

Dulce Miranda

Edinho Bez

Edio Lopes

Fabio Reis

Fernando Jordão

Flaviano Melo

Geraldo Resende

Hildo Rocha

Hugo Motta

Laudivio Carvalho

Leonardo Picciani

Leonardo Quintão

Lindomar Garçon

Lucio Vieira Lima

Manoel Junior

Marcos Rotta

Marquinho Mendes

Marx Beltrão

Mauro Mariani

Mauro Pereira

Osmar Serraglio

Pedro Chaves

Rogério Peninha Mendonça

Ronaldo Benedet

Roney Nemer

Sergio Souza

Soraya Santos

Veneziano Vital do Rêgo

Walter Alves
Informe-se



A partir do infográfico abaixo, é possível observar alguns indicativos. Os dois partidos com deputados que mais seguem Cunha são PMDB e PSDB, contando com números muito próximos – 38 e 36, respectivamente. Em tese, o primeiro faz parte da base aliada, o segundo é o principal partido de oposição no Brasil. Essa ambiguidade pode ser verificada em toda a lista. Levando-se em conta as agremiações com dez ou mais parlamentares que seguem Cunha, apenas o PSB e DEM não fazem parte do governo, todos os outros compõe, inclusive, o ministério de Dilma. Destaca-se a prevalência de legendas do centro à direita. Em síntese, o presidente da Câmara articula uma “frente” parlamentar capaz de fazer avançar uma agenda considerada conservadora e que transcende a relação entre governo e oposição.



Entenda


O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi - e continua sendo -um dos protagonistas do noticiário político brasileiro em 2015. Sua carreira política, entretanto, começou muito antes do 1º de fevereiro que o elegeu presidente da Câmara dos Deputados.

Os primeiros passos do deputado federal carioca começaram nos momentos iniciais da redemocratização. Em 1989, Paulo César Farias, conhecido como PC Farias, o convida para se filiar ao PRN e assumir a tesouraria do comitê eleitoral de Fernando Collor no Rio de Janeiro, então candidato à Presidência da República. A atuação lhe valeu a presidência da Telerj. A passagem de Cunha pela companhia rendeu denúncias posteriores de irregularidades em contratos públicos e licitações.

Cunha foi um dos personagens secundários na queda de Collor. O irmão do então presidente da República acusa PC farias, tesoureiro da campanha presidencial, de operar no governo um esquema de corrupção cujo volume, na época, foi estimado em R$ 1 bilhão de reais. Collor cai em 1992. Cunha é um dos investigados no “Esquema PC”, e é afastado da Telerj em 93. Farias seria encontrado morto com a namorada em 1996.

Após a saída do político da estatal de telefonia, Cunha se aproxima de Francisco Silva, então deputado federal mais votado do Rio e dono de uma rádio evangélica. Em 1994, se filia ao PPB, hoje PP. Por indicação de Silva, Cunha se torna presidente da Companhia Estadual de Habitação na gestão de Anthony Garotinho. Fica no cargo por seis meses, sendo afastado por denúncias de contratos sem licitação e favorecimento de empresas inexistentes.

Em 2001, Cunha assume, por meio de uma articulação de Garotinho, como deputado na Alerj, o que dificulta as investigações contra ele. Em 2002, é eleito deputado federal. Em 2003, troca o PP pelo PMDB. É reeleito em 2006 e 2010.

Em “paralelo” à política, pela proximidade com Francisco Silva, Cunha se torna evangélico e radialista. Sua voz torna-se famosa no segmento. Isso explica parte de sua popularidade no Rio de Janeiro – em 2014, foi o terceiro candidato deputado federal mais votado, com 232.708 votos, o que equivale a 3% de todo o eleitorado fluminense . Outra parte da explicação é o fato de que se trata de um dos políticos com maior capacidade de arrecadação para campanhas. No último pleito, gastou mais de 6 milhões de reais para se eleger, de acordo com o que declarou para o Tribunal superior eleitoral..

Desta forma, Cunha garante a fidelidade de deputados eleitos por conta das ajudas financeiras para suas campanhas e pelo quoficiente eleitoral. Obviamente, há um outro lado. Cunha se compromete com as pautas de seus financiadores: a terceirização, o perdão da dívida das seguradoras e o próprio financiamento empresarial de campanha são bandeiras do presidente da Câmara.

As pautas de Cunha, seu próprio histórico político – do partido de Collor, passando pela legenda herdeira da ditadura até a agremiação que liderou a oposição oficial ao regime militar – e a confusão ideológica que reina no sistema político brasileiro apontam para o fato de que as bandeiras defendidas por ele transcendem bancadas partidárias e a própria noção de oposição e situação, governo e oposição.

Nesse cenário, Cunha conseguiu importantes vitórias. Utilizando-se de manobras, recolocando em votação questões que havia perdido, ele foi capaz de obter maiorias expressivas. Conseguiu, algumas vezes torcendo a legalidade, aprovar sua agenda conservadora em questões fundamentais para a sociedade brasileira. Não é forçoso dizer que Cunha tem desestabilizado as relações entre os poderes da República.

Entretanto, Cunha não faz tudo isso sozinho. Para descobrir quem são os parlamentares que compõem a base mais fiel à ele, o Brasil de Fato cruzou as listas de votação de três importantes e polêmicos temas que ocorreram no primeiro semestre de 2015:
a terceirização, combatida pelas organizações sindicais como sinônimo de precarização e retirada de direitos;
o financiamento empresarial de campanha, contrariando os anseios das organizações da sociedade civil que defendem uma reforma política que garanta a diminuição da influência do poder econômico e a redução da maioridade penal, que legou a Cunha o título de inimigo número um da juventude brasileira.

O resultado: 213 parlamentares seguiram Eduardo Cunha em todas as três votações. Pertencem a diversos partidos, de vários estados, parte da base aliada e da oposição. Essas são as faces de Cunha.
Postar um comentário