terça-feira, 21 de julho de 2015

O meu eu quero imediatamente


O vídeo que detona Eduardo Cunha





16 julho 2015







Reproduzo abaixo o vídeo comentado, com a delação contra Cunha, publicado há pouco pelo blog Conversa Afiada.

***

Vídeo bomba: como o Cunha tomou a grana

O meu eu quero imediatamente

O Conversa Afiada recebeu o vídeo com o depoimento do delator premiado Júlio Camargo ao juiz Moro da Vara de Guantánamo.

Aos 6′20, Júlio diz que o Eduardo Cunha o estava pressionando violentamente.

Aos 16′50, Júlio diz que Eduardo Cunha não queria conversa, queria receber.

Aos 7′45, deputada federal Solange faz um requerimento ao Ministério das Minas e Energia para ferrar a empresa de Júlio e o próprio Júlio.

Aos 12′46, ao tomar conhecimento do requerimento da deputada Solange o ministro Lobão reage: Isso é coisa do Eduardo.

E liga para Eduardo na frente de Júlio Camargo.

“Você está louco? Estou aqui com o Júlio”.

A partir dos 14′22, Júlio Camargo descreve o achaque. Ele se encontrou em um domingo, num edifício comercial do Leblon, na zona sul do Rio.

Eduardo Cunha exigiu US$ 5 milhões. Disse que Júlio estava demorando a pagar e ele não tinha mais como aguardar.

“Quero o meu imediatamente”.

Aos 23′10, Júlio diz ao juiz Moro que é preciso muito cuidado com Eduardo Cunha já que é um homem que ameaça através de terceiros e que disse que tinha 260 deputados sob o seu comando.




(Ele disse que tinha 260 deputados sob seu comando)



Navalha

É com o Pauzinho do Dantas e com esse Eduardo Cunha que o ministro do Supremo se encontra na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados para tratar do impeachment da Presidenta Dilma.

Viva o Brasil.

Golpe é isso aí.

Paulo Henrique Amorim


***


Antes, o C Af havia publicado:

CUNHA PEDIU US$ 5 MILHÕES A DELATOR

A tornozeleira está a caminho

No Globo:

DELATOR DA LAVA-JATO DIZ QUE CUNHA PEDIU PROPINA DE US$ 5 MILHÕES

Presidente da Câmara nega acusação e afirma que Júlio Camargo é um “mentiroso”

SÃO PAULO – O consultor Júlio Camargo afirmou à Justiça Federal, nesta quinta-feira, que foi pressionado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a pagar US$ 10 milhões em propinas referentes a dois contratos de US$ 1,2 bilhão de navios-sonda, assinados pela Petrobras entre 2006 e 2007. A informação foi confirmada ao GLOBO por três pessoas presentes no depoimento e consta em vídeos da oitiva gravados no âmbito da Operação Lava-Jato. Segundo Camargo, Cunha pediu US$ 5 milhões pessoalmente a ele.

Ao GLOBO, Cunha negou a acusação e afirmou que o delator é um “mentiroso”. O peemedebista também divulgou uma nota em que desafia o delator a provar as acusações. (...)



Postar um comentário