quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Agora vai... vai? Mas para onde?


Desculpa, Mil desculpas!


Mauro Baitasar



Agora vai... vai? Mas para onde?



antes que qualquer coisa seja dita, eu quero pedir desculpas aos professores e professoras das escolas da rede pública do povo gaúcho, o povo mais politizado do braZil. todos os envolvidos e envolvidas na eleição do governador $artori já sabiam de tudo que iria e está acontecendo: as mortes invisíveis que o jornalismo de excelência não repercute, o toque de recolher em porto alegre, por isso, e só por isso, riram dos nossos avisos, os petralhas, lembram da resposta para nossas perguntas? repetiam e repetiam, entre muitos risos, Vocês vão se ..der! vocês lembram o que diziam, certo? não é preciso repetir: vocês já sabiam do parcelamento dos salários, da paralisia da polícia civil, mas vocês contavam com a força competitiva e punitiva da brigada militar. lembram das selfs? domingos ensolarados, palavrões, gritos de ódio

mas claro, seus ensinamentos e análises profundas não haviam acabado. e todos e todas foram gritar, Fora Dilma, Fora PT, cansados e cansadas deste jeito de governar para todos. e olha que nem foi tanto assim, não conseguimos governar para todos os excluídos, mas então, inconformadas vestiram primeiro seus uniformes verde-amarelos, estilo neymar; depois o preto do luto, e tombaram-se às ruas. pareciam bêbados de tanto ódio. conseguiram! parabéns a todos e todas envolvidas, vocês e só vocês poderiam saber dos planos arrojados e futuristas para a Educação Pública Brasileira que nos chega através da mente pura e sensível do Alexandre, aquele mesmo: a substituição das disciplinas de Filosofia e Sociologia por Moral e Cívica. uau! agora vai! Sócrates, Platão, Antão, Gringão, Romário, é tudo a mesma coisa, Um dois feijão sem arroz, três quatro batendo panela, Dois passos para frente, Oito para trás, Mais um passo para frente, Calem a boca, Silêncio, Vocês são crianças, mas aqui é a escola e na escola todos vêm para aprender ficar em silêncio. Ouviram? Em SILÊNCIO!

e, às vezes, marchar

mas tem mais...

quero dedicar esse parágrafo a todos e todas da educação física envolvidas com esse outro achado futurista para a educação física: O Plano do Ensino Médio - elaborado depois de uma exaustiva discussão com os coxinhas da educação física (vocês já vinham discutindo, certo?) - decidiu abrir mão da disciplina de Educação Física, e também da outra disciplina de merda: Artes! isso é coisa pouca, quem se importa com cultura para os alunos e alunas nas escolas públicas, né? e com o corpo quem se importa, né?

Viva o Novo Ensino Médio das Escolas Públicas Brasileiras!

desculpem, eu me prometi nenhum palavrão, mas não consegui evitar três.

agora vai... vai pra onde?

fui aconselhado colocar uma nota explicitando que o texto acima contém ironia, está bem, este texto esquisito acima chega ser platônico de tanta ironia. então, para deixar explícita a proposta do MEC Golpista, estou adicionando aqui o resumo genial do Carlos Fabre Miranda, em sua linha de tempo no facebook, sem ironias:


" Escola sem partido, sem contraditório, sem crítica, sem reflexão, sem arte, sem corpo e sem sentido!"




Na prática, já tínhamos duas escolas no BraZil! Uma escola para os ricos e uma escola para os pobres! Agora, o braZil Golpista, anuncia que é isso mesmo, chega de adornar e contornar, daqui para frente vai ficar bem claro, acabamos com ENEM, Cotas, e toda essa esculhambação inventada pelo PT. Lugar de aluno pobre é em escola pobre, aprendendo a servir com silêncio e resignação os filhos amados da ESCOLA dos RICOS!

Saudações A TODOS E TODAS ENVOLVIDAS!



_________________________________



Plano do ensino médio abre mão de artes e educação física e repete meta



NATÁLIA CANCIAN
MARINA DIAS

DE BRASÍLIA


PAULO SALDAÑA

DE SÃO PAULO
22/09/2016 15h15 - atualizado às 17h50



Rivaldo Gomes/Folhapress



Escola estadual Antonio Vieira de Souza, em Guarulhos, na Grande São Paulo



O novo modelo para o ensino médio, apresentado nesta quinta-feira (22) pelo governo Michel Temer (PMDB), flexibiliza o currículo da etapa, acaba com a obrigatoriedade de disciplinas de artes e educação física e traz um incentivo à expansão do ensino em tempo integral.


As mudanças propostas serão agora levadas ao Congresso por meio de uma MP (medida provisória), para acelerar a tramitação legislativa.




REFORMA DO ENSINO MÉDIO





Análise de Sabine Righetti: Reforma não resolve problemas que desembocam no ensino



O texto da MP assinada por Temer provoca a maior alteração já feita na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), de 1996. As mudanças terão implementação gradual nas redes de ensino dos Estados, a quem caberá definir a transição para o novo modelo. A expectativa do governo, no entanto, é ter turmas já com a nova proposta a partir de 2018.


O novo modelo irá prever flexibilização do percurso do estudante. Hoje, todos os alunos do ensino médio devem cursar 13 disciplinas em três anos. Com a mudança prevista na MP, somente parte da grade –equivalente a cerca de 1 dos 3 anos da etapa– será comum a todos. Para o restante, haverá a opção de aprofundamento em cinco áreas: linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e ensino técnico.


Ao aluno caberá a escolha da linha na qual deseja se aprofundar. Mas a oferta dessas habilitações dependerá das redes e das escolas. Ao menos duas áreas, entretanto, devem ser oferecidas.


O ensino de língua portuguesa e matemática será obrigatório nos três anos do ensino médio. Mas, ao contrário do que previa a LDB, as disciplinas de artes e educação física deixam de ser obrigatórias nessa etapa. Elas continuam obrigatórias apenas da educação infantil ao ensino fundamental.


O secretário de educação básica, Rosseli Soares da Silva, no entanto, nega a mudança. Segundo ele, as duas disciplinas devem fazer parte da base nacional comum. O texto da MP, no entanto, retirou as duas disciplinas do texto anterior da LDB nos trechos sobre o ensino médio.


"Tudo o que constar na base nacional será obrigatório. A diferença é que quando coloca a [oportunidade de escolher] ênfases, só colocamos os alunos que tem interesse em seguir naquelas áreas. Não podemos continuar pensando que vamos ensinar tudo a todos."



'FALÊNCIA'


Em discurso no Palácio do Planalto, o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), disse que a reformulação ocorre diante de um cenário de "falência do atual ensino médio", com baixo desempenho em avaliações como o Ideb e altos índices de evasão. "O desempenho de português e matemática é menor hoje do que em 1997. Os jovens hoje têm menor conhecimento em matemática e português do que na década de 90", afirma.


Segundo ele, uma comparação com o sistema aplicado em outros países mostra que o Brasil está hoje "na contramão do mundo". "Temos aí um exemplo do que é o ensino médio brasileiro, com 13 disciplinas obrigatórias, bastante engessado e que coloca o jovem com disposição de não continuar na vida educacional", disse. "O novo ensino médio tem como pressuposto principal a autonomia do jovem. É muito comum o jovem colocar que aquela escola não é a escola que dialoga com ele."


Segundo o ministro, o governo deve investir de R$ 1 bilhão a R$ 1,5 bilhão em dois anos no projeto de fomento ao ensino integral no ensino médio.


Já a meta é atender 500 mil jovens nessas escolas de tempo integral até 2018. "Teremos a responsabilidade de mais do que dobrar o número de alunos beneficiados", afirma ele, que também disse esperar que o texto da MP seja votado na Câmara e Senado até o fim deste ano.


O país registra 1,7 milhão de adolescentes entre 15 e 17 anos fora da escola -16% da população nessa faixa etária, que seria a ideal para o ensino médio.


INTEGRAL


De acordo com o texto da medida provisória, a carga horária mínima de 800 horas anuais para a etapa deve ser ampliada progressivamente para o mínimo de 1.400 horas anuais. Isso representa 7 horas de aulas por dia, o que caracteriza a educação em tempo integral. O texto afirma que essa ampliação deve seguir as metas já dispostas no PNE (Plano Nacional de Educação).


A previsão do PNE é ter, até 2024, ao menos 25% dos alunos de cada etapa de ensino em tempo integral. O país registra hoje 6% das matrículas nessa modalidade no médio. Dessa forma, de acordo com o texto, o governo não revoga a carga mínima de 800 horas já prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 1996.


Para expandir a oferta de tempo integral, o projeto prevê aporte financeiro do governo federal, de forma temporária, às redes estaduais que criarem novas vagas na modalidade. No entanto, esse valor –calculado por aluno– só será pago nos primeiros quatro anos e "respeitada a disponibilidade orçamentária para atendimento.


O ensino médio ainda poderá ser organizado em módulos e adotar o sistema de créditos ou disciplinas com terminalidade específica, "observada a Base Nacional Comum Curricular", a fim de estimular o prosseguimento dos estudos.


Assim, se um aluno tiver optado por se aprofundar em uma área, mas quiser mudar de opção, ele poderá solicitar a troca. Neste caso, receberá um certificado parcial a cada módulo concluído. "Ele será o protagonista do seu percurso", disse Mendonça Filho.


O texto também flexibiliza a contratação de professores sem concurso para atender a ampliação do ensino técnico. Permite ainda a contratação de professores sem formação específica na disciplina na qual vão atuar, desde que tenha "notório saber".


Para Eduardo Deschamps, do Consed (órgão que representa os secretários estaduais de Educação), a maior oferta de ensino profissional com o novo modelo de ensino médio "cria um enorme incentivo aos jovens que não seguem diretamente para a universidade". "E o mais importante é que a nova legislação não impõe um único modelo para o ensino médio. Ela permite criar novas formas de oferta sintonizadas com as aspirações dos estudantes", afirma ele, para quem a reforma é "urgente e prioritária".


O formato como o governo encaminhou as mudanças, por meio de uma medida provisória, no entanto, gerou polêmica entre educadores. Questionado, o ministro Mendonça Filho negou que a reformulação tenha sido imposta. "Foi uma mudança discutida", disse.



















Postar um comentário