terça-feira, 25 de agosto de 2015

os “legítimos sucessores” da UDN


Bresser-Pereira: “A UDN era melhor que o PSDB”




agosto 24, 2015






Veja também
PM é preso acusado de envolvimento na chacina de Osasco e Barueri
Um jornalismo sem vergonha
Em novo single, Elza Soares fala sobre violência doméstica



Segundo o economista, ex-ministro dos governos Sarney e Fernando Henrique Cardoso, os tucanos são os “legítimos sucessores” da UDN, mas com uma diferença. “Enquanto a UDN nunca se associou a políticos evidentemente corruptos, é isto o que o PSDB está fazendo neste momento: aliou-se ao deputado Eduardo Cunha”


Por Redação

O economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, ex-ministro dos governos Sarney e Fernando Henrique Cardoso, utilizou seu perfil do Facebook no último sábado (22) para criticar o PSDB. Ele comparou as ambições golpistas do partido às da UDN, ressaltando uma diferença –“enquanto a UDN nunca se associou a políticos evidentemente corruptos, é isto que o PSDB está fazendo neste momento: aliou-se ao deputado Eduardo Cunha”.

No post, Bresser menciona reportagem publicada pela Folha de S. Paulo que diz que a oposição se aproveitará da deterioração da relação entre Cunha e o Palácio do Planalto para pressionar o presidente da Câmara a dar continuidade ao processo de impeachment de Dilma Rousseff. Confira:



A UDN foi um partido liberal, sempre na oposição, que, entre 1946 e 1964, tentou promover golpe contra governos legítimos. Afinal seu golpismo foi "vitorioso" em 1964... O PSDB revela-se um seu legítimo sucessor. Mas com uma diferença: enquanto a UDN nunca se associou a políticos evidentemente corruptos, é isto o que o PSDB está fazendo neste momento: aliou-se ao deputado Eduardo Cunha. Conforme informa a Folha de hoje (22.5.15):
"Em reunião marcada para a próxima terça-feira (25), PSDB, DEM, PPS, SD aproveitarão a piora na relação do Palácio do Planalto com o peemedebista, que acusa o governo federal ] de ter agido para retaliar sua atuação, para unificar o discurso e passar a mensagem de que apoiam o afastamento imediato da petista. A estratégia, esboçada há algumas semanas por aliados do peemedebistas, é de que ele, a quem cabe monocraticamente a decisão, rejeitaria dar prosseguimento a um pedido de impeachment. Com a iniciativa, seria possível recorrer da decisão ao plenário da Casa Legislativa, que precisaria do voto de pelo menos 257 dos 513 deputados federais para reverter o despacho e dar seguimento ao caso."
Dessa maneira, os guardiões da ética na política procuram derrubar uma presidente cuja honestidade é evidente aliando-se ao que é evidentemente corrupto. A UDN era melhor...
Curtir   Comentar   



Postar um comentário