quinta-feira, 20 de agosto de 2015

você atravessou o rubicão da decência


Carta aberta ao risonho Eduardo Jorge





Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:





Caro Eduardo Jorge


Em 1998, eu votei em você para deputado federal, pelo PT. Conhecia uma de suas filhas, da USP (já tinha ido até em festas na sua casa, na Vila Mariana), e ela fez um apelo de última hora para que ajudássemos a eleger um velho militante que não tinha recursos, e dependia do “voto de opinião”.

Segui o apelo de sua filha (não sei se ela lembra disso; mas eu lembro bem). Na época, você era uma liderança do PT, já havia sido deputado constituinte, tinha sido secretário municipal na gestão Erundina, e havia atuado na zona leste de São Paulo na organização de movimentos populares.Por causa desse perfil, dei meu voto a você.

Acompanhei depois sua lenta (mas decidida) aproximação com o tucanato, e sua curiosa parceria com José Serra. Tenho amigos tucanos, e não vejo isso como “crime”.

Mas estranhei que você tenha feito esse giro sem jamais explicar o que achava das privatizações de FHC nos anos 90: a entrega da Vale, da CSN, a tentativa de vender até a Petrobras (que seus, agora, amigos do PSDB queriam transformar em “Petrobrax” – lembra?).Você era oposição a isso tudo em 98. No entanto, logo depois saiu do PT (alegando que o partido “abandonara seus princípios”), e foi-se esbaldar com os cargos oferecidos justamente pelo PSDB de Serra, ainda que atuando na sublegenda tucana do Partido Verde.Estranhei que você jamais tenha-se perguntado por que o PSDB e Serra são blindados pela imprensa paulista, e por isso jamais foram cobrados da mesma forma que petistas no governo o são. Acho que pra você isso agora está ótimo. Você se tornou “sócio” dessa turma e desse arranjo, não é?.

Não vou perguntar o que acha do Trensalão tucano (que a mídia paulista chama de “cartel dos trens”, sem explicar que foram desviados milhões de reais que deveriam ter sido investidos em transporte público), nem a sua avaliação sobre a “gestão das águas” de Alckmin em São Paulo… Ambientalista verde/tucano não deve ter tempo pra olhar o que se passa na Sabesp.

Não vou perguntar. Até porque eu tive já minha resposta quando o vi, com um ar entre eufórico e abobalhado, de braços dados com Aécio no segundo turno de 2014.

A imagem encheu-me de tristeza, mas relevei…

Só que agora, Eduardo Jorge, você atravessou o rubicão da decência.

Vê-lo risonho, numa manifestação como a do último dia 16 de agosto, em que a maior parte dos presentes manifestava ódio, em que se pedia volta da ditadura, “morte a Dilma”, manifestação essa que era a clara expressão do pior conservadorismo paulistano, vê-lo ali foi demais para meu estômago.

Erundina saiu do PT. E manteve a compostura. Plinio saiu do PT. E manteve a compostura. Você se entregou a esse abraço com o que há de mais nojento na história recente do Brasil.

Você ali, Eduardo Jorge, era um “enfeite” exótico para um conservadorismo que leva até torturadores pra discursar em carros de som.

Sei que não é fascista, nem pessoalmente conservador. Mas ninguém pode ir a uma manifestação daquela e ingenuamente declarar: “ah, eu não prego o ódio, minha parada é outra”. Sabe por que? Porque eu, seu antigo eleitor, não poderia estar na Paulista se quisesse usar uma camisa vermelha, ou se quisesse pedir combate à corrupção de todos os partidos (e não apenas do PT). Seria chutado, agredido, como tantos estão sendo agredidos Brasil afora nessa onda de ódio à qual você empresta sua triste figura.

Você, Eduardo Jorge, tornou-se um lamentável oportunista procurando cabalar votos no mercado da direita. Sabe qual resultado disso? Ficará sem votos (porque a direita o acha ridículo), sem respeito da esquerda (a velha e a nova), e apagará sua história.

Meu voto de 1998, sei que não terei de volta. Mas queria que soubesse: simbolicamente, eu o rasgo aqui!

Eu o rasgo, da mesma forma que Brizola rasgou a folha de papel onde se lia “P-T-B” – legenda que a ditadura roubou dele.

Você roubou meu voto de 1998, Eduardo Jorge.

Não me arrependo de já ter votado no Plínio de Arruda Sampaio, no Chico Whitaker, na Erundina – todos eles rompidos com o PT. Não me arrependo, nem mesmo, de ter votado no Fleury (para derrotar Maluf, em 1990), ou no Covas (para derrotar o mesmo Maluf, em 1998).

Mas me arrependo, profundamente, de ter dado meu voto para um oportunista risonho como você.

Boa sorte em sua triste aventura.


Rodrigo Vianna – jornalista, blogueiro e seu ex-eleitor

*****

P.S.: o ex-Eduardo Jorge explicou, numa nota curta, que não sabia o que estava escrito no cartaz carregado pelo rapaz da foto que abre esse texto – clique aqui para saber mais.

Como se o problema fosse o cartaz.

Mises não é problema tão grave.

O grave mesmo é aderir a um movimento com toques de fascismo e intolerância.
Postar um comentário