sábado, 20 de junho de 2015

A cultura do ódio e o vandalismo no túmulo de Chico Xavier


Cardozo, MP, ABI, OAB…Ameaça ao Jô não pode ser deixada à conta da “minoridade mental”





19 de junho de 2015
Autor: Fernando Brito






A pichação diante do apartamento de Jô Soares não pode ser deixada na conta das “brincadeirinhas”.

Se eu escrevesse aqui “morra Fulano” – e não escrevo porque não quero matar ninguém – eu seria processado criminalmente.

O “coxinha” nazista, ou o grupinho deles que pichou a frase (certamente tinha mais de um, vigiando se passava alguém) não deve receber diferente tratamento do que eu teria.

Aliás, mais grave ainda, porque conjugado a dano material no patrimônio público, o que não tem um texto.

Jô Soares pode, como qualquer um de nós faria em outras circunstâncias, não pretender processar.

Mas as autoridades públicas e as corporações comprometidas com a liberdade de imprensa e das regras democráticas de convívio precisam vir à publico pedir que se responsabilize quem faz isso.

Porque a distância entre pichação, intenção e gesto agressivo está ficando cada vez menor no Brasil.

A cultura do ódio, que instilaram na sociedade toma conta de cada vez mais gente microcéfala, e não estão faltando provas disso: agressões, humilhações e, agora, até o vandalismo no túmulo de Chico Xavier.

Exatamente como fazem os neonazistas com as sepulturas judaicas, mas com o mesmo sentido contra a memória de um espírita.

Não dá para levar na brincadeira.

Mesmo que Jô Soares não se preocupe quanto a si, amanhã será com outro sem suas condições de reagir e exigir providências.
Postar um comentário