sábado, 22 de março de 2014

sem a “edição da Globo”


PASADENA: GLOBO REPETE
FRAUDE DO LULA VS COLLOR

A Globo é especialista em fraudes eleitorais

Conversa Afiada






O Miguel do Rosário exibiu a integra da entrevista que Sergio Gabrielli concedeu à Globo e, em seguida, a fraude: a “edição da Globo”.

Bem que, ao fim da entrevista, o Gabrielli avisou: “vamos ver agora a edição da Globo”.

É a versão contemporânea de outra ediçao histórica, que integra todos os manuais, mundo afora, como exemplo de utilizaçao da televisão para manipular uma eleição: o debate Lula vs Collor, em que o Dr Roberto mandou exibir “tudo de bom” do Collor, e “tudo de mau” do Lula.

Foi a edição do jn na vespera da eleição do segundo turno e que “ajudou” a eleger o Collor, segundo o próprio Collor.

O Boni, como se sabe, testemunhou que ele próprio ajudou o Collor.

Essa edição da entrevista do Gabrielli respeita a mesma tecnologia de fraudes eleitorais.

Como aquela do Gilberto Freire com “i” (*), chamado de “Ratzinger da Globo”, quando levou a eleiçao de 2006 para o segundo turno – clique aqui para ler “o primeiro Golpe já houve, só falta o segundo”.

A “edição” do Gabrielli demonstra que muita fraude eleitoral ainda vai correr até a eleiçao de 2014.

Porque, como demonstrou a última pesquisa do Globope, só um Golpe (da e na Globo) impede a eleição da Dilma – no primeiro turno.

Em tempo: sugestão aos que se submetam a fraudes eleitorais da Globo: levar um assessor com gravador, levar uma camera para gravar a entrevista – e, de preferência, só falar com a Globo por e-mail.

Em tempo2: bem feito ! Quem mandou o Lula e a Dilma, com medo da Globo, não fazerem uma Ley de Medios ? E obrigar o Gabrielli a se defender de uma profissional da Globo que faz perguntas sem saber do que tratam. Porque a “edição” já estava pronta, no Rio … Desde 1989 …


Do Cafezinho:


ENTREVISTA COM GABRIELLI QUE A GLOBO ESCONDEU: PASADENA FUNCIONA E DÁ LUCRO


A Petrobrás não fala nada, com medo sabe-se lá de quê, mas Gabrielli, ex-presidente da companhia, falou. Eis a íntegra da entrevista que o JN mutilou para deixar a impressão que o petista se voltava contra Dilma. Depois compare com a matéria editada do JN.





Paulo Henrique Amorim


(*) Ali Kamel, o mais poderoso diretor de jornalismo da história da Globo (o ansioso blogueiro trabalhou com os outros três), deu-se de antropólogo e sociólogo com o livro “Não somos racistas”, onde propõe que o Brasil não tem maioria negra. Por isso, aqui, é conhecido como o Gilberto Freire com “ï”. Conta-se que, um dia, D. Madalena, em Apipucos, admoestou o Mestre: Gilberto, essa carta está há muito tempo em cima da tua mesa e você não abre. Não é para mim, Madalena, respondeu o Mestre, carinhosamente. É para um Gilberto Freire com “i”.
Postar um comentário